capa 187A escrita é a vida

O impossível como ponto de partida da escrita de Marguerite Duras, autora francesa que será republicada no Brasil; como Tati Quebra Barraco construiu uma poética que subverte relações de dominação; o sociólogo Richard Miskolci discute a relação entre redes sociais e levantes conservadores no Brasil; uma discussão sobre Machado de Assis e sua formação em país pós-colonial.

Marguerite Duras em conversa no "Apostrophes", em 1984 (legendas em francês)

card ebook mensal SETEMBRO.21

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

 

Mat. Capa 2 Maria Julia Moreira maio.21

 

Nome forte da poesia brasileira contemporânea, a poeta Ana Martins Marques lança em junho seu novo livro, Risque esta palavra (Companhia das Letras). É a sétima obra da poeta. Ela também é capa da edição de maio do Pernambuco, em perfil feito pelo crítico Victor da Rosa e pela poeta Adelaide Ivánova, que irá ao ar em breve.

 

Risque esta palavra capa 

Leia adiante três poemas que integram a obra.

 

***

 

Alba

É dia
e daí?
Relógios e amantes
acordam em desacordo.
Por que levantar agora?
A noite não foi cheia de afazeres,
como um dia de escritório?
Não é também labor
uma noite de amor?
Como o corpo desses livros
que lemos no leito
o seu não guardou as marcas
do meu manuseio lento?
Mais vale adiar o dia.
O alarme do celular:
que triste cotovia.



Poema com o som de sua própria fabricação


A partir de Robert Morris, Box with the
Sound of its Own Making, 1961

Não só o som do caderno abrindo-se o som da caneta seguindo
a linha pautada não só o som ritmado das teclas do computador
o som mais forte do polegar fabricando
o espaço

Também o som dos passos pela cidade a música da respiração
do dia o som do sol subindo como a porta das lojas
sendo abertas barulhos dos carros limpando a própria
garganta socos sirenes o som do café fervendo
na cafeteira o som das palavras
não sendo retiradas das coisas
como mariscos de suas conchas
mas esfregando-se nas coisas, polindo-as
de um brilho sujo enquanto o poema vai se fazendo
tarde demais



Ofélia aprende a nadar

Há muita coisa em comum entre
cair de amor
e cair na loucura
e cair num rio

em todo caso
cai-se
da própria altura

veja-se, por exemplo,
Ofélia

cai
mas cai
cantando

trazendo nas mãos ainda a grinalda
de rainúnculos, urtigas, malmequeres
e dessas flores a que os pastores dão um nome grosseiro
mas que as moças denominam poeticamente
"dedo-da-morte"

cercada desses ornatos
como de uma coroa

por um momento
seu vestido se abre
e ela se sustenta
na superfície

envolvida
na correnteza

qual uma sereia

cantando
canções antigas
com os cabelos entrelaçados aos juncos
e aos nenúfares

como se tivesse nascido ali
como se fosse criatura
daquele elemento

(somos nós mesmos piscinas
lagos ou charcos
reservatórios onde águas
se debatem)

quando seu vestido
se torna pesado
ela começa lentamente
a mover os braços
e as pernas

primeiro sem deixar de cantar

depois substituindo o canto
por uma respiração ritmada

mergulhando e levantando a cabeça
e aproveitando-se da correnteza
até chegar à margem
lamacenta

por onde sobe
com alguma dificuldade
carregando o vestido
pesado

há muita coisa em comum entre
cair num rio
e cair em si
e cair fora