capa 187A escrita é a vida

O impossível como ponto de partida da escrita de Marguerite Duras, autora francesa que será republicada no Brasil; como Tati Quebra Barraco construiu uma poética que subverte relações de dominação; o sociólogo Richard Miskolci discute a relação entre redes sociais e levantes conservadores no Brasil; uma discussão sobre Machado de Assis e sua formação em país pós-colonial.

Marguerite Duras em conversa no "Apostrophes", em 1984 (legendas em francês)

card ebook mensal SETEMBRO.21

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

 Graciliano Diadorim out19

 

Abaixo, um breve trecho de Os olhos de Diadorim, de Wander Melo Miranda. É o mais recente livro do selo Suplemento Pernambuco. Nele, Wander investiga vários objetos em reinvenção, tanto na crítica literária quanto na própria literatura. Um deles é Graciliano Ramos (foto), autor do qual Wander é biógrafo. Você pode adquirir seu exemplar de "Os olhos de Diadorim" clicando aqui

Leia outro trecho do livro, desta vez sobre literatura contemporânea, clicando aqui

 

***

CODA

“Fim de mundo” – é o que Fabiano vê ao seu redor, quando a seca reaparece e é obrigado a partir novamente com a família, outra vez em busca de sobrevivência. Fim de mundo, como expressão de um lugar inóspito e de uma situação estendida até o limite do humano, um movimento em círculo, um regime instável e precário, intensificado pelo uso do condicional: “Alcançariam uma terra desconhecida. Fabiano estava contente e acreditava nessa terra, porque não sabia como ela era e nem onde era”. [nota 1]

A impossível “mudança” ou “fuga” – início e fim de Vidas secas (1938) – é um modo de não conhecimento, vivido como promessa de felicidade ou libertação que se apresenta como se fosse o último desejo de um condenado à morte, no instante em que nada lhe resta senão o desejo de formulá-lo. Por ser assim, o desamparo se delineia no livro com traços tão fortes e ao mesmo tempo tão delicados. É necessário aproximar-se das personagens – Fabiano, sinhá Vitória, os meninos, a cachorrinha Baleia – com o cuidado exigido pelo que está na iminência de desaparecer para sempre no “mundo coberto de penas”.

Mundo à revelia da lei que torna os homens iguais e lhes garante uma vida justa. No episódio do soldado amarelo, Fabiano depara-se com a falta – kafkiana – de se ver aquém da lei no momento paradoxal em que sofre sua mão pesada: “Apanhar do governo não é desfeita”.[nota 2] Estar aquém da lei: situar-se num limiar impreciso ou muito nítido, onde a barbárie mostra-se tão natural quanto os riachos secos, o sol forte, os animais mortos de fome e sede.

Trazer esse mundo à cena literária brasileira, torná-lo visível em seus contornos ainda hoje tão nítidos, foi a tarefa que Graciliano Ramos se impôs como cidadão e artista. Teve que se desvencilhar de toda certeza autoral no devir outro que está no cerne da criação ficcional, como o episódio da morte de Baleia sugere de forma magnífica e terrível. Para falar da experiência extrema da dor teve também de manter a escrita sob rigoroso controle, fazendo a linguagem ir além do que lhe escapa – o real – para abrir novas vias de representação literária.

Décadas após a publicação de Vidas secas, tudo mudou e nada mudou de verdade. O compromisso assumido pelo escritor de ir contra a corrente da história para melhor apreendê-la permanece intacto nas múltiplas leituras que o texto engendra, na firme posição que mantém ao lado dos condenados da terra. Por muito tempo ainda – não sei se alegria ou danação – essa pequena obra-prima continuará a ser nossa face mais luminosa e sombria.

NOTAS

[nota 1] Graciliano Ramos. Vidas secas. Rio de Janeiro, Record, 2003, p. 127.

[nota 2]
Ibidem, p. 33.