capa 187A escrita é a vida

O impossível como ponto de partida da escrita de Marguerite Duras, autora francesa que será republicada no Brasil; como Tati Quebra Barraco construiu uma poética que subverte relações de dominação; o sociólogo Richard Miskolci discute a relação entre redes sociais e levantes conservadores no Brasil; uma discussão sobre Machado de Assis e sua formação em país pós-colonial.

Marguerite Duras em conversa no "Apostrophes", em 1984 (legendas em francês)

card ebook mensal SETEMBRO.21

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

Elvira Vigna mar18 arq.PE JMangaba

 

 

Kafkianas, livro póstumo de Elvira Vigna (1947-2017), foi lançado no último dia 17 pela editora Todavia. Nele, são recontadas 20 narrativas de Franz Kafka (1883-1924). Elvira, uma das maiores escritoras da literatura brasileira, também foi ilustradora.  

Abaixo, Elvira reconta Vor dem Gesetz ("Diante da lei" ou "Perante a lei"). Edições ofertam a narrativa de Kafka tanto como um miniconto isolado quanto como parte do incrível e inacabado romance O processo. No romance, a narrativa surge nas palavras do Padre, que dialoga com Josef K. a respeito do tribunal. 

A ilustração é de autoria de Elvira Vigna.

***

 

Elvira.Vigna ilustracao set.18

 

 

na frente da porta

[Vor dem Gesetz]

Você já conhece essa história.
O cara fica na frente de uma porta.
Quer entrar, o porteiro diz não.
Isso por anos a fio.
Ele até arranja um banquinho para esperar sentado.
Aos poucos os dois conversam.
O cara conta a vida para o porteiro.
É pobre, veio do interior.
O porteiro nem presta muita atenção.
A porta dá acesso à lei.
No texto do Kafka, está escrito bem assim: lei.
Sem maiores explicações.
Entenda você o que quiser:
Lei como sinônimo de sabedoria ancestral.
Lei como o poder puro e simples.
Lei como a burocracia infernal do dia a dia (então e sempre).
Pode ser também acesso à cidadania.
O cara passa pela porta e tem direitos reconhecidos.
Nesse caso, né, não é o cara que entra (ou não entra) na lei.
É a lei que entra (ou não entra) no cara.
É a lei que aceita (ou não aceita) o cara como digno dela.
Seja como for, a porta não funciona.
Tentam até mesmo uma corrupçãozinha.
O que fica engraçado, já que se trata de um porteiro da lei.
Como é possível corromper quem guarda a lei, né.
É um oximoro:
Na hora em que ele é corrompido deixa de ser guarda da lei.
No entanto, já se ouviu falar muito disso, acreditem em mim.
Mas neste caso, pelo menos, não funciona.
Não porque o guarda é incorruptível, não, não:
“Só aceito para depois você não dizer que não tentou de tudo.”
Malvado, o porteiro.
Quer que o cara se sinta realmente fracassado, excluído.
E completa:
“Ó, depois piora.”
Mesmo conseguindo passar por ele, ia ter outros porteiros.
Cada porta dá para outra porta.
Cada porteiro dá para outro porteiro.
Desse jeito, quem não prefere ficar no banquinho, né.
Nesse tempo todo que o cara fica lá, não aparece mais ninguém.
Meio esquisito, ele acha.
Afinal, lei devia ser para todo mundo.
Mas ele fica lá matutando e o tempo vai passando.
E a luz vai diminuindo.
Primeiro ele acha que é uma noite escura, mas eram os olhos.
Ele está à morte.
Aí o cara lembra da única pergunta não feita:
“Vem cá, se a lei é para todos, por que só eu estou aqui?”
E o porteiro diz:
Aquela porta é só daquele cara.
Cada pessoa tem uma.
E era só entrar.
O porteiro diz, inclusive, que ele morrendo, vai murar a porta.
E só faltou completar:
“Não é para obedecer ordens sem contestar, seu idiota.”
O que eu acho e acho mesmo antes de ler esse texto do Kafka:
Há uma liberdade, a gente não aproveita.
Mas às vezes fico pensando.
Ok, o cara não obedece o porteiro e entra.
E aí?
Se o cara entrasse, virava cidadão, teria acesso à cultura.
Se tornaria poderoso.
Mas ia exercer seu poder do lado de lá da porta.
Em cima dos que estão do lado de cá.
Ia proibir entrada para outros caras vindos do interior.
É sempre assim: o cara entra na lei.
E você entende lei do jeito que quiser.
Mas será sempre um clubinho que exclui gente.
E o cara, se achando uó, sorri para seus novos amigos.
Copinho na mão, canapés passando.
Ou, outra hipótese:
Vamos dizer que a lei aí é de fato lei.
Ou seja, o que o cara quer é que digam a ele o que fazer.
Código civil, moral religiosa, estatuto do condomínio do
prédio.
Qualquer coisa bem facinha do tipo é-só-seguir.
Ele nunca mais vai ter de pensar na vida.
Assim:
Matar não pode, certo? Facinho, facinho.
Mas (segunda porta):
Alguém pisa no teu pé, justo o pé com a unha ruim.
Dá vontade de matar, mas não, né.
Parabéns.
Você não mata, mas empurra o imbecil.
Fortão, ele nem balança, só te xinga.
Você xinga de volta (terceira porta) evitando palavras feias.
Ele vem para cima de você, tropeça e cai.
E morre.
Estamos na quarta porta, onde você está frente a você mesmo.
Putz. Afinal ele só pisou no teu pé.
Até pediu desculpa, você é que estava num dia ruim.
Será que você devia já ir para a cadeia quando a unha encravou?
E nessa hora volto para o banquinho da primeira porta do Kafka.
O cara sentado lá a vida inteira.
Um acomodado que só quer que digam a ele o que fazer.
Não tem vontade sequer de enfrentar o primeiro porteiro.
Quanto mais os outros, em decisões cada vez mais difíceis.
Então fez ele muito bem, não é?
Entrasse naquela porta e a vida dele só ia piorar.
Ia piorar quanto mais ele buscasse o fácil.
O erro do cara não foi não entrar no castelo.
O erro do cara foi querer entrar.
Foi achar que uma lei imposta, externa, resolvia a vida dele.
Nunca resolve.
O jeito é tentar acertar a lei interna, sem nunca saber se de
fato conseguiu.

 

 

>> Elvira Vigna (1947-2007) foi escritora e ilustradora. Assina, entre outros, o romance Como se estivéssemos em palimpsesto de putas