capa 187A escrita é a vida

O impossível como ponto de partida da escrita de Marguerite Duras, autora francesa que será republicada no Brasil; como Tati Quebra Barraco construiu uma poética que subverte relações de dominação; o sociólogo Richard Miskolci discute a relação entre redes sociais e levantes conservadores no Brasil; uma discussão sobre Machado de Assis e sua formação em país pós-colonial.

Marguerite Duras em conversa no "Apostrophes", em 1984 (legendas em francês)

card ebook mensal SETEMBRO.21

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

Ineditos Morgenstern fev18

 

Os poemas fazem parte do livro Palmström, do poeta alemão Christian Morgenstern, que será publicado em 2018 pela Relicário Edições. Morgenstern (1871–1914) foi contemporâneo dos dadaístas e expressionistas germânicos. É reconhecido pela composição de versos em estilo nonsense, em sua língua natal.

A tradução é do poeta Ricardo Domeneck.

 

Palmström

Palmström vai ao lago
e abre, grande, um lenço vermelho:
no lenço há o desenho
de um homem a ler e um carvalho.

Palmström o vê e não ousa assoar-se –
ele é destes seres esquisitos
que se sentem desnudar-se
de veneração por tudo o que é lindo.

Ele dobra de novo, todo delicado,
o que acabara de desdobrar,
e ninguém sensível há de acusá-lo
por ir embora sem se assoar.

 

 

A vila boêmia

Palmstrôm viaja com o Sr. Émile
para um certo vilarejo boêmio.

Entende bulhufas do que lá se fala,
da primeira até a última palavra.

Até o Sr. Émile (que só pela rima
viajou) está perdidinho da silva.

Mas é justo isso o que tanto o alegra.
Feliz até os ossos, volta nosso colega.

Então escreve em sua coluna de jornal:
Mais uma viagem cheia de sex appeal!

 

Para o norte

Palmström ora sofre de neuroses;
por isso dorme virado para o norte.

Pois dormir rumo sul, oeste, leste
causa-lhe fadiga no peito e mente.

(Quando alguém vive na Europa
e não ao sul entre os Trópicos.)

Tal pode-se ler em dois eruditos
e até Dickens já está convencido –

que este fenômeno se desvenda
pela força magnética do planeta.

Palmström cura-se de forma coorde-
nada, pega a cama, põe para o norte.

E em seus sonhos, algumas vezes,
ouve a raposa polar uivar na neve.

 

Anti-horário

Ao relatar isso ao Sr. Émile,
este sentiu-se um pouco senil;

pois para ele sempre foi óbvio
obedecer-se o sentido rotatório

da Terra, ao dormir, com os pés
do seu corpo exatos rumo leste.

E por isso brinca, airoso-ácido:
Não, meu divã é anti-horário!

 


Isolamento sonoro

Em parte, protege-se de barulhos alheios,
em parte, insula-se do ouvido de terceiros.
Palmström adora enrodilhar-se em sons.

Por isso é que ele deixa em seu quarto
o encanamento d'água ter explosões.
E dá-se, assim enovelado, que não raro

passe horas a recitar monólogos, longos
monólogos, feito o tagarela de Atenas,
que no incêndio gritava em pleno fogo

assim como à orla do mar, Demóstenes.

 


O salmão

O salmão do Reno ia pelo Reno
até entrar Suíça adentro.

Subia de curso em curso, saltava
de queda em queda d'água.

Já estava ele deussabeonde,
quando um belo dia – ôxe! -

deu de cara com uma represa
de uns doze pés ou sessenta!

Até os dez pés ele saltava bem.
Mas aí acabou sua coragem.

O salmão ficou por três semanas
aos pés alpinos de uma cabana.

Mudo, por fim deu meia-volta
e nadou rumo à Holanda.