capa 187A escrita é a vida

O impossível como ponto de partida da escrita de Marguerite Duras, autora francesa que será republicada no Brasil; como Tati Quebra Barraco construiu uma poética que subverte relações de dominação; o sociólogo Richard Miskolci discute a relação entre redes sociais e levantes conservadores no Brasil; uma discussão sobre Machado de Assis e sua formação em país pós-colonial.

Marguerite Duras em conversa no "Apostrophes", em 1984 (legendas em francês)

card ebook mensal SETEMBRO.21

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

 

Ariano Suassuna rep.da.internet dez17

 

 

Dois livros inéditos de Ariano Suassuna (1927-2014) chegaram às livrarias nesta semana: O jumento sedutor e O palhaço tetrafônico. Juntos, eles compõem o Romance de Dom Pantero no palco dos pecadores. A publicação é da editora Nova Fronteira e o lançamento oficial ocorre no dia 9 de dezembro no Recife, na Livraria Cultura do RioMar Shopping.

O trecho abaixo é o início da primeira carta de O jumento sedutor.

Os dois livros são compostos, cada um, por quatro cartas que Antero Savedra publica em um suplemento pseudoliterário chamado Sibila, do jornal A voz de Igarassu. Ele dirige a correspondência “Aos nobres Cavaleiros e belas Damas da Pedra do Reino”, como se vê no trecho abaixo.

Segundo o poeta e professor Carlos Newton Júnior, que assina o prefácio, Ariano começou a escrever o Romance nos anos 1980. O projeto representa o desejo do escritor de fazer algo como uma condensação de sua produção como artista e pensador – criar uma obra que transcenda a literatura e siga pelas artes plásticas e pelo teatro.

O neologismo “Ilumiara”, que consta no texto, era usado por Ariano tanto para se referir aos anfiteatros rústicos que os primeiros habitantes do Brasil provavelmente usavam como locais de culto. Ele passou a usar o termo, também, para classificar vários conjuntos artísticos realizados em diversas épocas e lugares que, segundo Carlos Newton, pudessem ser vistos como manifestação da força criativa de um povo. Também usa essa palavra para designar como sua obra, em sua visão, era um marco do Brasil verdadeiro e representava um caminho mais justo e fraterno para ser trilhado socialmente; e mais belo e original do que o caminho da descaracterização surgido a partir da globalização.

A obra tem forte apelo visual e, na impossibilidade de reproduzi-lo aqui em virtude da formatação deste site, fizemos algumas opções para sinalizar a presença de elementos visuais. Os itálicos são, de fato, itálicos do texto. O que estiver em negrito marca a tipografia armorial no livro.

Todas as páginas de O jumento sedutor e de O palhaço tetrafônico têm imagens. Elas não serão reproduzidas aqui. Desta forma, este inédito proporciona uma leitura meramente textual (nesse caso, parcial) de uma obra complexa que engloba outras dimensões. Fica, portanto, como convite ao leitor/à leitora para uma imersão posterior no livro.


***

 

 


Sibila
Moda, Turismo & Lazer
Igarassu, 8 de Março de 2014
23 de Abril de 2016

 

Proposição
Com cavalos, atores, dançarinos e música‐de‐câmera

 


Prólogo a'O Espelho dos Encobertos


Aos nobres Cavaleiros e belas Damas da Pedra do Reino.

Amigos:

Uma vez, quando eu era bem menino, um Escorpião picou meu calcanhar. Talvez por causa disso,“têm, para mim, Visões de um outro Mundo, as Noites luminosas, azuladas, quando a Lua aparece mais bonita”.

Mas é verdadeira, também, a face reversa da Medalha: “Têm, para mim, Visões de um outro Mundo, as Noites perigosas e queimadas, quando a Lua aparece mais vermelha.”

Num caso e noutro, tais Visões me surgem porque à noite, ao som de Violinos, Pianos, Violões, Flautas e Violoncelos, o Espelho grial e multifacetado que fulge em meu sangue reflete à luz da Lua a imagem de um velho Jaguar, talvez já meio cego mas ainda errante pela Caatinga devastada, não se sabe à espera de quê.

Marcada por ele e pelas Visões noturnas que nos assaltam pelo Espelho, A Ilumiara (a Imitação e Narrativa­‐Espetaculosa que se começa a desvelar aqui) é uma Leitura­‐de­‐Trevas; “um uivo desferido por um Cão agoniado em direção à Lua‐cheia”.

Sendo eu antes de mais nada um Ator e Encenador, em minha formação literária meus dois primeiros grandes Mestres foram Alexandre Dumas e Rafael Sabatini. Este escreveu, abrindo­‐me a
visão do Mundo como um Palco e da Vida como um Espetáculo:


Rafael Sabatini Savedra

“Procuro consolar‐me com a lembrança de Epiteto. Dizia ele que todos nós não passamos de atores no Palco da vida, e que representamos os papéis que o Diretor acha por bem confiar­‐nos.”

 


Dom Pantero

Um outro Mestre nosso, Gustavo Adolfo Bécquer, nem de longe se pode comparar aos dois primeiros. Mas também foi importante para mim, porque seus versos evocavam a figura de minha perdida, amada e jamais esquecida Liza Reis:

 


Gustavo Adolfo Shabino Bécquer

— “Eu sou ardente, sensual, morena, eu sou o símbolo da paixão. De ânsias de gozo minh’alma é plena. A mim me queres? — Não, a ti não!

— “De fronte pálida e tranças de ouro, posso ofertar‐te ditas sem fim. Eu de ternuras guardo um tesouro. A mim procuras? — Não, não a ti!

— “Eu sou um Sonho louco, impossível, vago fantasma de névoa e luz. Sou incorpórea, sou intangível. Não posso amar‐te. — Oh vem, vem tu!”

 


Antero Savedra

Pois bem: obsedado pelo Palco, vivo pela Estrada em busca de Deus, do Santo Graal e do “Sonho impossível” de Liza Reis; e este Castelo-de-Cartas-Espetaculosas foi composto nos moldes do Evangelho de São Lucas, dos Atos dos Apóstolos e das Epístolas de São Paulo; com base nas minhas “Memórias”, nas “Saídas” ligadas às “Aulas‐Espetaculosas”, na “paixão” de Quaderna e nos anais do Simpósio Quaterna, instaurado em Taperoá, a 9 de Outubro de 2000. Por isso deve se apresentar como um Diálogo, no qual os interlocutores aparecem sob o comando de Dom Pantero do Espírito Santo. No conjunto, fundindo­‐se, nele, Encenação e Narrativa, forma uma espécie de Romance­‐de­‐Epopeia­‐Lírica, de Espetáculo­‐de-Circo ou de grande Peça­‐de­‐Teatro, na qual Dom Paribo Sallemas, Dom Pancrácio Cavalcanti e Dom Porfírio de Albuquerque integram comigo o grupo dos Narradores principais (pois Altino, Auro e Adriel, mais do que Narradores, são Personagens que, tendo já morrido, tiveram a encarná -los, no Circo‐Teatro Savedra, 3 dos melhores Atores que compareceram ao Simpósio).

Devo explicar a Vocês que nossas vidas foram marcadas por 4 acontecimentos terríveis. O primeiro surgiu quando, a 9 de Outubro de 1930, meu Pai foi assassinado com um tiro pelas costas. O segundo, quando meu irmão Mauro se matou com 3 punhaladas desferidas contra o peito, o que sucedeu no dia nefasto de 6 de Outubro de 1970. O terceiro e o quarto, quando Auro e Adriel foram também assassinados.

Ora, uma vez meu Tio, Mestre e Padrinho Antero Schabino afirmara que nós, Savedras, éramos “uma família trágica, como a dos Átridas”. Por isso A Ilumiara é uma espécie de Orestíada, narrada, não por Ésquilo, mas sim por aquele que, na trama, seria um outro Orestes ou um novo Hamlet (ambos filhos de Pai assassinado, de um Rei assassinado). Mas este “Hamlet” acertaria a vencer sua dor no Palco e na Estrada, por meio das Armas que Deus lhe concedeu — “o galope do Sonho”, do Rei, e “o Riso a cavalo”, do palhaço.

 


Dom Paribo Sallemas

E que todos sejam advertidos logo de início:

 


Albano Cervonegro

Quem, seguro de si, cego no Sol, entrar por este Pasto incendiado, verá o riso, o choro e o desatino de um grande Povo, pobre e iluminado, forjado ao sol­‐castanho da Favela e ao sangue do Arraial do Leopardo.