capa 154Poesia e resistência

A poesia de Solano Trindade, ícone das artes afro-brasileiras, é leitura importante para hoje e 2019. Mais: os memes e a narrativa política em 2018; personagens trans na literatura brasileira; Suely Rolnik fala sobre micropolítica, descolonização do inconsciente e resistência

Clique para baixar o pdf

Raquel Trindade declama um poema de seu pai, Solano

banner site

José Castello

Everardo Norões

SFbBox by casino froutakia

 

diretas já.democracia

 

 

 

31 de março ou 1º de abril? Não interessa o dia, mas a oportunidade de reflexão: o que foi o golpe de 1964? Como reverbera nos dias de hoje? É possível traçar paralelos? Se sim, quais? Eis a utilidade das efemérides - nos levar a revisitar, com olhos do presente, fatos do passado. E projetar, com os anseios do presente, possibilidades de futuro.

Dado o complexo contexto político do país, convidamos Luís Felipe Miguel, professor e pesquisador da Universidade de Brasília, a compor uma lista com leituras que nos ajudem a entender os meandros da democracia no Brasil. Miguel é autor de obras como O nascimento da política moderna, e coautor de outras várias, a exemplo de Feminismo e política: uma introdução (com Flávia Biroli).

 

***

 

O aniversário do golpe de 1964 é um bom momento para pensar os desafios que precisamos enfrentar para edificar uma sociedade democrática no Brasil – ainda mais agora, quando estamos recuando rapidamente em todo o percurso que havíamos conseguido percorrer desde a Constituição de 1988.

 

René Dreifuss – 1964: a conquista do Estado (Petrópolis: Vozes, 1981).
Longo e por vezes um tanto desordenado, o livro de Dreifuss ainda assim é básico para entender a ruptura de 1964. Mostra como os grupos dominantes se organizam para criar um clima de ameaça e, com isso, sabotar o apoio às instituições democráticas – qualquer semelhança com a derrubada de Dilma Rousseff não é mera coincidência. E mostra, sobretudo, como a democracia corre perigo cada vez que esses grupos passam a vê-la como comprometendo a permanência das desigualdades.

 

Maria Helena Moreira Alves – Estado e oposição no Brasil (1964-1984) (tradução de Clóvis Marques; Petrópolis: Vozes, 1987).
A narrativa sobre o fim da ditadura de 1964 costuma privilegiar as negociações entre grupos de elite e as tensões internas às forças armadas. Moreira Alves rompe com esse paradigma e, sem desprezar estes outros fatores, mostra também a importância que a retomada dos movimentos sociais e a ampliação inconformidade na população tiveram para a superação do regime autoritário. No momento em que é fundamental investir na resistência popular, trata-se de um livro a ser lido ou relido.

 

Regina Dalcastagnè – O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro (Brasília: Editora UnB, 1996).
A implantação de um regime ditatorial não significa apenas a ruptura com regras institucionais ou o exercício localizado da violência de Estado contra determinados grupos. É algo que contamina toda a vida social, chegando às relações cotidianas e aos sonhos e esperanças de mulheres e homens, de velhos, jovens e crianças. É a narrativa literária que, muitas vezes, nos dá acesso a essa dimensão. O livro de Dalcastagnè analisa nove romances, de escritores como José J. Veiga, Lygia Fagundes Telles, Érico Veríssimo ou Antônio Callado, que retratam a ditadura sob a perspectiva das vidas do povo brasileiro.

 

Francisco de Oliveira – Crítica da razão dualista e O ornitorrinco (São Paulo: Boitempo, 2003.)
O primeiro texto, lançado originalmente em 1972, é um clássico do pensamento social brasileiro. O segundo, do início do século XXI, tornou-se referência para pensar os obstáculos à transformação social no presente. Ambos discutem como, no Brasil, o moderno e o atrasado não apenas convivem, mas formam uma simbiose: o atraso é a condição para a existência do moderno, que não vive sem ele. Em particular, em O ornitorrinco, Oliveira mostra como a ascensão de dirigentes da classe trabalhadora à condição de gestores da acumulação capitalista, nos fundos de pensão ou em empresas estatais, representou mais uma associação de opostos que impede a resolução das contradições sociais.

 

André Singer – Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador (São Paulo: Companhia das Letras, 2013).
Na interpretação de Singer, o PT chegou ao governo com um programa de “reformismo fraco”, que buscava melhorar a vida e ampliar os horizontes dos mais pobres sem pôr em risco as vantagens dos privilegiados. Esse seria o preço a pagar para evitar uma reação que destruísse as conquistas alcançadas. No momento em que escrevia, o autor julgava que o projeto tinha sido bem-sucedido e mesmo estabelecera as políticas de imclusão social como um novo patamar para a disputa no Brasil. Pouco depois, o quadro mudou e este veredito se tornou inaceitável, o que mostra como as classes dominantes brasileiras são refratárias a qualquer redução da desigualdade. Ainda assim, Os sentidos do lulismo permanece leitura incontornável para entender os dilemas da esquerda brasileira.

 

Ivana Jinkings, Kim Doria e Murilo Cleto (orgs.) – Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil (São Paulo: Boitempo, 2016).
Coletânea de textos escritos no calor dos acontecimentos, publicada entre a destituição provisória da presidente Dilma Rousseff (em maio de 2016) e sua saída definitiva (três meses depois), este volume não tem a pretensão de apresentar uma análise definitiva da derrocada da democracia brasileira. Mas apresenta uma multiplicidade de aspectos, a partir de visões de mundo também bastante plurais entre si. Os capítulos tratam da mídia, da classe trabalhadora e dos sindicatos, das mobilizações da direita e de seus financiadores, da política externa, da misoginia e do racismo, dos fundamentalismos religiosos – enfim, dos vários aspectos do golpe e dos retrocessos que ele anunciava.

 

Nicos Poulantzas – O Estado, o poder, o socialismo (Rio de Janeiro: Graal, 1980).
O golpe de 2016 mostrou a complexidade do Estado brasileiro. O fato de que seu cume – a presidência da República – estava nas mãos de um grupo político não impediu que este grupo fosse derrubado por outros setores deste mesmo Estado. Subitamente, a vigência de todas as regras se tornou condicional. Aparatos e leis perderam sua fachada de imparcialidade e mostraram com clareza a quais interesses serviam. Poulantzas é reconhecidamente um autor árido, mas sua contribuição é importante para entendermos melhor os ambientes em que as disputas políticas ocorrem.