capas 2019

 

Diante de tantos lançamentos e discussões que envolvem o livro enquanto objeto, fizemos nossa lista das melhores capas de 2019. Este é o quarto ano que fazemos essa escolha. O esquema: pedimos a nossos designers – Eduardo Azerêdo, Filipe Aca, Hana Luzia e Janio Santos – e algumas de nossas colaboradoras – Karina Freitas e Maria Luísa Falcão – que elegessem as melhores do ano. São elas e eles que pensam a imagem do Pernambuco nas versões impressa, online e redes sociais.

O critério é livre.

 *** 

 

>> Eduardo Azerêdo 

 

Melhores do ano.2019 The Municipalists EduardoAzeredo2

 

The municipalists (Seth Fried)
Editora: Penguin Books USA
Capa: Matt Taylor

Nessa capa, a paleta de cores e as formas duras já me conquistaram e acabaram prendendo minha atenção para perceber, posteriormente, os brilhos que revelam materialidades dos objetos e o clima futurista. Muito bonita.

 

Melhores do ano.2019 Triste EduardoAzeredo


Triste (Rafael Sica)
Editora: Lote 42
Capa: Stêvz e Rafael Sica

Nesse projeto, tudo parece refletir a ideia do livro. Os elementos trazem a sensação de algo bastante pessoal, desde o papel da capa, o traço hesitante, a encadernação em espiral, o título (aparentemente?) manuscrito, tudo parece remeter o rosto do personagem debaixo da árvore com espírito melancólico. É uma capa que me faz querer ir além dela.

 

Melhores do ano.2019 LaranjaMecanica EduardoAzeredo


Laranja mecânica (Anthony Burgess)
Editora: Aleph
Capa: Giovanna Cianelli

Escolhi essa pois foi uma das que mais prenderam a minha atenção. A tipografia usada conversa muito bem com o jogo de luz e sombra da ilustração e a composição de cores da figura faz com que o fundo branco não deixe a capa com uma impressão de "vazio" que essa cor poderia passar. Todos os elementos parecem harmonizar entre si desse projeto, tudo funciona.

 

Melhores do ano.2019 OsDespossuidos EduardoAzeredo2


Os despossuídos (Ursula K. Le Guin)
Editora: Aleph
Capa: Giovanna Cianelli e Marcela Cantuária

Essa capa me atraiu pelas várias camadas de cores que vão dando uma sensação de profundidade da base para o topo. A mistura e combinação entre tons – ora bem contrastantes, ora bem suaves –, me faz querer observar a capa por mais tempo que o habitual. Belíssima.

 

Melhores do ano.2019 DeadAstronauts EduardoAzeredo


Dead Astronauts (Jeff Vandermeer)
Editora: MCD
Capa: Rodrigo Corral

Se eu visse esse livro na prateleira, com certeza teria o impulso de pegá-lo. O conjunto de cores, borrões e as imagens, parte identificáveis e parte abstratas, dão ideia de movimento muito interessante na qual a tipografia parece subir e o fundo cair em alta velocidade.

 

>> Filipe Aca

 

MelhoresDoAno2019 O.Fim.Da.Eternidade FilipeAca

O fim da eternidade (Isaac Asimov)
Editora: Aleph
Capa: Luciano Drehmer

As cores vibrantes atraem a vista logo de longe, de perto as ilustrações e o lettering do título encantam ainda mais. Num livro que fala de viagens temporais a capa representa bem essa sensação de dobrar o tempo. Amo também esse caráter pop que traz pra obra com as cores saturadas e vibrantes, além do estilo de ilustração que me lembra aquelas histórias de sci-fi de baixo orçamento dos anos 1960. Perfeita.

 

MelhoresDoAno2019 A.mao.esquerda.da.escuridao FilipeAca


A mão esquerda da escuridão (Ursula K. Le Guin)
Editora: Aleph
Capa: Giovanna Cianelli e Marcela Cantuária

Como fazer uma capa para um livro sem parecer óbvia? Pra mim essa é a resposta. Essa capa é uma das mais chiques que vi esse ano, ela sempre me faz parar um tempo pra poder apreciar, assim como uma obra de arte. O que mais me encanta são as cores vibrantes e contrastantes, o céu vermelho e essas duas figuras que você não consegue identificar quem ou o que são. Tão linda que queria essa capa pendurada na parede de casa.

MelhoresDoAno2019 SobreOsOssosDosMortos FilipeAca


Sobre os ossos dos mortos (Olga Tokarczuk)
Editora: Todavia
Capa: Flávia Castanheira

O que mais gosto nessa capa é que num primeiro olhar, de longe, você pensa que se trata de um livro fofo e divertido, mas ao se aproximar repara nesses detalhes macabros e estranhos como o coelho decapitado pingando sangue. Isso basicamente traduz o espírito do livro, uma história de suspense que lida com temas como vida e morte, loucura, injustiça e direitos dos animais.

MelhoresDoAno2019 AMetamorfose FilipeAca


A metamorfose (Franz Kafka)
Editora: Antofágica
Capa: Pedro Inoue e Lourenço Mutarelli

Design de Pedro Inoue e ilustração de Mutarelli. Li A metamorfose pela primeira vez quando tinha uns 18 anos, foi um dos livros que mais impactaram naquela época. Essa capa traduz os horrores que o Gregor Samsa passa durante o livro e me faz lembrar das sensações daquele primeiro encontro.

 

MelhoresDoAno2019 OPenduloDaDemocracia FilipeAca


O pêndulo da democracia (Leonardo Avritzer)
Editora: Todavia
Capa: Bloco Gráfico

Gosto dessa por ela ser simples e minimalista. Ela constrói uma narrativa somente com retângulos, quadrados e triângulos, você pode atribuir vários significados e desenvolver diversas histórias com muito pouco e isso é genial.

 

>> Hana Luzia

 

MelhoresDoAno2019 Preocupacoes HanaLuzia

Preocupações (Ana Guadalupe)
Editora: Macondo
Capa: Otávio Campos e Juliana Bernardino 

A escolha da emocionante pintura de Juliana Bernardino para capa foi certeira, porque transparece a paranoia, a ironia, as separações, a melancolia e o medo que encontramos nos seus poemas, como em "No quarto escuro": "no quarto escuro não importa / se as janelas não se abrem há um ano / se é chuva de vento ou a tempestade do século / se lá fora você anda sem sombrinha / e vai acabar morrendo de pneumonia / por negligência minha"; e em "A eventual visita da poesia": "por quanto tempo / terei dinheiro para viver nesta cidade / antes que pese demais o medo / e o medo me roube a energia?".

 

MelhoresDoAno2019 UBIK HanaLuzia


UBIK
 (Philip K. Dick)
Editora: Aleph
Capa: Giovanna Cianelli e Rafael Coutinho 

A capa representa a ubiquidade abordada na obra - o spray UBIK - através dos fragmentos de diferentes planos que se misturam na história e na ilustração. A tipografia diferenciada do título remete ao uso do spray (na "tinta" escorrendo na letra K) e às tipografias psicodélicas dos anos 1960 e 1970 – época de criação e publicação da obra – e do boom da estética e do consumo futurista no design.

 

MelhoresDoAno2019 IdeiasParaAdiarOFimDoMundo HanaLuzia


Ideias para adiar o fim do mundo (Ailton Krenak)
Editora: Companhia das Letras
Capa: Alceu Chiesorin Nunes

A linda tipografia junto aos grafismos indígenas é simples, harmônico e, para mim, representa visualmente o conceito de "suspender o céu", presente nos discursos de várias lideranças indígenas.

MelhoresDoAno2019 A Furia HanaLuzia


A fúria (Silvina Ocampo)
Editora: Companhia das Letras
Capa: Elisa von Randow  e Cristina Daura 

A capa, ilustração da espanhola Cristina Daura, representa não somente o universo sinistro e fantasioso da obra, mas também faz referência a uma particularidade da autora: a ausência de seu rosto em várias de suas fotografias.

 

MelhoresDoAno2019 WeKissTheScreens HanaLuzia


We kiss the screens (Tea Uglow e AI called George)
Editora: Visual Editions
Capa: Nina Jua Klein

Livro impresso sob demanda a partir da experiência e interação do usuário em um livro digital, a partir de uma narrativa múltipla. Logo, cada livro é diferente assim como as cores da capa. É um livro que explora a personalização digital em vários espectros. Resultado de experimento entre a Google Creative Lab e a editora londrina Visual Editions.

 

>> Janio Santos 

 

MelhoresDoAno2019 NoCalorDaHora JanioSantos

No calor da hora (Walnice Nogueira Galvão)
Editora: Cepe
Capa: Karina Freitas

A obra condensa a cobertura jornalística da Guerra de Canudos feita pelos periódicos da época. Destaque para os pictogramas, as cores e as texturas utilizadas, que traduzem com maestria o sentimento de efervescência do conflito. O que vemos é uma capa em constante ebulição.

MelhoresDoAno2019 DarwinPorDarwin JanioSantosDarwin por Darwin (seleção e organização de Janet Browne)
Editora: Zahar
Capa: Rafael Nobre

Livro composto por centenas de escritos selecionados que revelam a vida e obra do autor de A origem das espécies. Na capa, uma lúdica ilustração da figura do "pai" da teoria da evolução, cercado por pássaros e folhas, formando um mural vivo.

 

MelhoresDoAno2019 FrankEOAmor JanioSantos 

Frank e o amor (David Yoon)
Editora: Companhia das Letras (selo Seguinte)
Capa: Owen Gildersleeve  

Uma capa de romance com bela solução tipográfica. A fonte é vazada, o que faz com que dentro dela se revelem novas camadas, criando profundidade. Além disso, há o uso de cores mais vibrantes, tudo condizente com o caráter juvenil da obra.

 

MelhoresDoAno2019 OCasoTulaiev JanioSantos


O caso Tuláiev
(Victor Serge)
Editora: Carambaia
Designers: Estúdio AOQUADRADO (Luana Luna e Lucyano Palheta)

A capa segue a estética que ditou o Construtivismo russo, com cores puras e formas geométricas. No centro, a representação de uma arma, elemento chave do romance que passa na União Soviética dos anos 1930. Além disso, algo incomum nas capas de livro: não tem o nome da obra e nem do autor. 

 MelhoresDoAno2019 PosVerdadeFakeNews JanioSantos

Pós-verdade e fake news (Mariana Barbosa)
Editora: Cobogó 
Capa: Felipe Braga

Uma capa que nos traz a memória aquele erro clássico do Windows XP, onde a janela deixa rastros de si mesma por onde passa. Ótimo recurso para representar a praga de desinformações que acompanham o Brasil e o mundo.

 

 

>> Karina Freitas

 

MelhoresDoAno2019 CadaUmPorSi KarinaFreitasCada um morre por si (Hans Fallada)
Editora: Carambaia
Capa: Estúdio Grade

O projeto gráfico traduz o viés sombrio do livro numa paleta em preto e branco e uso de tipografia gótica especialmente criada para esta edição. A escolha tipográfica remete ao tempo histórico em que o romance é ambientado, a conturbada Alemanha de Hitler.

 

MelhoresDoAno2019 MaryVentura KarinaFreitas

Mary Ventura e o Nono Reino (Sylvia Plath)
Editora: Biblioteca Azul / Globo Livros
Capa: Bloco Gráfico e Paola Saliby 

Com projeto do estúdio Bloco Gráfico e ilustração da talentosíssima Paola Saliby, a capa do livro de Plath é poética, impactante e consegue tirar da síntese a sua potência visual.

 

MelhoresDoAno2019 A Furia HanaLuzia

 

A fúria (Silvina Ocampo)
Editora: Companhia das Letras
Capa: Elisa von Randow e Cristina Daura 

A capa de Elisa von Randow ganha força absurda com a ilustração de Cristina Daura. O repertório visual de Daura tem no estranhamento e no fantástico seus argumentos, pedindo automaticamente uma segunda leitura e chamando atenção com uma paleta de cores super saturadas.

 

MelhoresDoAno2019 ACarta KarinaFreitas

A carta (Org. de Naercio Menezes Filho e André Portela Souza)
Editora: Todavia
Capa: Bloco Gráfico

Capa sutil e subversiva. Traduz de forma brilhante um livro que analisa a Constituição brasileira em tempos de crise democrática. A paleta de cores majoritariamente frias foge do lugar comum verde-amarelo e oferece uma outra perspectiva visual ao tema.

 

MelhoresDoAno2019 NossosPoemas KarinaFreitas

Nossos poemas conjuram e gritam (Conceição Evaristo, Esmeralda Ribeiro, Jarid Arraes, Lívia Natália, Natasha Felix, Neide Almeida e Nina Rizzi)
Editora: Quelônio
Capa: Silvia Nastari

A capa foi planejada para ser impressa em tipos móveis, em três cores e toda edição especialmente elaborada manualmente. Uma publicação preciosa, como todas as edições da Quelônio.

 

 

>> Maria Luísa Falcão

 

 

Às voltas com Lautréamont (Laymert Garcia dos Santos)
Editora: n-1 edições
Capa: Érico Peretta

Este projeto me interessou bastante, assim como outros da n-1, por considerar o livro como um objeto em sua materialidade. Tudo aquilo que o envolve (neste caso, literalmente) faz parte da narrativa e serve pra interação com o público.

 



O livro dos jardins (Ana Martins Marques)
Editora: Quelônio
Capa: Silvia Nastari

O uso de papel artesanal deu um toque super especial, funcionando bem com a proposta da narrativa, e se percebe a atenção que se deu aos detalhes. Além disso, é preciso valorizar publicações que mantém vivas técnicas artesanais, como neste caso a encadernação e impressão tipográfica - já que o livro foi todo impresso em linotipia e tipos móveis.

 

MelhoresDoAno2019 OAlforje MLFalcao

O alforje (Bahiyyih Nakhjavani)
Editora: Dublinense
Capa: Luísa Zardo

A ilustração, ademais seu apelo estético, parece traduzir a essência do livro através de detalhes além das figuras principais, como no uso de texturas que remetem ao deserto e simbologias. 

 

MelhoresDoAno2019 Wisnik.Mariutti MLFalcao

Espaço em obra: cidade, arte, arquitetura (Guilherme Wisnik)
Editora: Edições Sesc
Capa: Julio Mariutti

Neste projeto, os tipos formam uma espécie de processo construtivista, sendo o próprio objeto "em obra", e dispostos em maneira muito interessante. De certa forma, a construção geral também se relaciona ao que o leitor imagina quando falamos de arquitetura e planejamento urbano; pelas figuras e o aspecto moderno da própria escolha de fontes.

MelhoresDoAno2019 EscreverSemEscrever MLFalcao 2

Escrever sem escrever: Literatura e apropriação no Séc. XXI (Leonardo Villa-Forte) 
Editora: Relicário Edições
Capa: Ana C. Bahia

O apelo desta capa aparece na forma em como lida com a temática do livro, traduzindo visualmente a reescrita e apropriação de textos de maneira intrigante e certeira.

SFbBox by casino froutakia