iemanja site

 

Dia 2 de fevereiro é dia de Iemanjá, orixá das águas salgadas carinhosamente chamada de "rainha do mar". Ser de vários nomes, ela inspirou vários trabalhos artísticos, com destaque para produções musicais e em artes visuais.

Abaixo, uma forma de reflexão a partir de sua existência, totalmente ancorada no real mas que usa o imaginário gerado pela imagem de Iemanjá para refletir sobre o que ocorre. O conto abaixo abre o livro Rasif - mar que arrebenta (Editora Record), de Marcelino Freire. Escrito em formato de versos, o conto faz uma ode à rainha do mar pelo viés social: a poluição das águas, a ostentação de riqueza em veículos marítimos. 

 

***

 

Para Iemanjá

 

Oferenda não é essa perna de sofá.
Essa marca de pneu. Esse óleo. Esse breu.
Peixes entulhados. Assassinados. Minha Rainha.
Não são oferenda essas latas e caixas.
Esses restos de navio. Baleias encalhadas.
Pingüins tupiniquins. Mortos e afins.
Minha Rainha.
Não fui eu quem lançou ao mar essas
garrafas de Coca. Essas flores de bosta.

 

Não mijei na tua praia. Juro que não fui eu.
Minha Rainha.
Oferenda não são os crioulos da Guiné.
Os negros de Cuba. Na luta. Cruzando a nado.
Caçados e fisgados. Náufragos. Minha Rainha.

 

Não são para o teu altar essas lanchas
e iates. Esses transatlânticos. Submarinos de
guerra. Ilhas de Ozônio. Minha Rainha.
Oferenda não é essa maré de merda.
Esse tempo doente. Deriva e degelo.

 

Neste dia dois de fevereiro. Peço perdão.
Minha Rainha.
Se a minha esperança é um grão de sal.
Espuma de sabão. Nenhuma terra à vista.
Neste oceano de medo. Nada. Minha Rainha.

SFbBox by casino froutakia